Cultura de Ponta de Catéter


Os cateteres intravasculares são utilizados para prover um acesso vascular contínuo, na administração de produtos via parenteral, tais como medicamentos, nutrição parenteral e outros fluidos. Por sua permanência intravascular e contato com a pele, representam uma porta de entrada para microrganismos e um grande risco de desenvolvimento de infecção. O sítio de inserção pode se tornar colonizado por bactérias da própria pele ou a infecção pode ser carreada pelas mãos dos profissionais de saúde. Os líquidos infundidos podem também carrear microrganismos para a corrente circulatória do paciente, produzindo uma infecção local em um grande número de casos de bacteremias, fungemias e flebites supurativas.

Na interpretação de resultados se no local onde rolamos o cateter aparecerem colônias significa que a superfície do mesmo estava colonizada por bactérias, isto é, elas estavam aderidas à sua superfície.
A contagem é semiquantitativa, e um número igual ou maior que 15 UFC sugere a possibilidade de essas bactérias invadirem a corrente circulatória. São microrganismos relacionados ao uso do cateter: Staphylococcus aureus, estafilocos coagulase-negativa, Enterococos spp., Candida spp., Corynebacterium spp., Klebsiella spp., Acinetobacter spp.